Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

COMO SERÁ O IMPACTO DOS ROBÔS NOS EMPREGOS ?

COMO SERÁ O IMPACTO DOS ROBÔS NOS EMPREGOS ?
5 (100%) 7 votes

Embora a inteligência artificial e a robótica ( os robôs)  irão expandir em segmentos como saúde, transporte, manutenção da casa e serviço ao consumidor, especialistas estão divididos sobre qual o impacto os robôs terão nos empregos dos humanos. É o que mostrou uma pesquisa publicada nesta quarta-feira pela Pew Research.

Entre 400 e 800 milhões de profissionais vão perder seus empregos até 2030 devido à automação, segundo um novo estudo da consultoria McKinsey. O estudo analisou 800 profissões em 46 países e constatou que até um terço dos trabalhos atuais poderá ser automatizado daqui a 13 anos.

De acordo com a McKinsey, a automação afeta de formas diferentes os setores, profissões e países. Nas nações mais desenvolvidas, como Estados Unidos e Alemanha, entre 23% e 24% dos empregos atuais sofrerão diretamente com a automação. No Japão, esse número pode alcançar 26%.

Países mais pobres e subdesenvolvidos, que têm menos dinheiro para investir em automação e robótica, não serão tão afetados até 2030, afirma a McKinsey. Na Índia, por exemplo, 9% dos trabalhos sofrerão. No Brasil, esse percentual pode chegar a 15%.

 

ROBÔS

HOJE TEM ROBÔS EM DIVERSAS ÁREAS QUE NÃO IMAGINAMOS

 

Independentemente do país, porém, a consultoria alerta que todos os profissionais precisarão se adaptar a um cenário com novas tecnologias, máquinas, robôs e inteligência artificial em diversas áreas. “Todos precisarão se adaptar à medida que suas ocupações forem sofrendo a influência das máquinas. Algumas pessoas poderão fazer isso por meio de uma educação melhor. Outras precisarão gastar mais tempo em atividades que exigem habilidades emocionais e sociais, criatividade, alto nível de capacidade cognitiva e habilidades que são difíceis de os robôs replicarem”.

De forma geral, significa usar muito menos o esforço físico e muito mais habilidades como gerenciar pessoas, aplicar expertises específicas, raciocínio lógico e criatividade.

Em termos de profissões, quem mais irá sofrer são os profissionais que ocupam funções como operadores de máquinas e funcionários do setor de alimentação. Também estão vulneráveis à automação, corretores imobiliários, assistentes jurídicos, contadores e profissionais de setores administrativos. Por outro lado, segundo a McKinsey, empregos que requerem interação humana, como médicos, advogados, professores e bartenders, têm menos chance de serem substituídos por robôs. Trabalhos especializados, mas com salários não muito altos, como jardineiros, encanadores e cuidadores, também estão menos vulneráveis.

 

ROBÔS

 

É evidente que a digitalização leva a uma reviravolta na esfera do emprego. Um monte de empregos se perde devido a ela. Entretanto, os investigadores acreditam que este processo, na verdade, não leva ao desemprego em massa, pois novos empregos continuam se criando. O que é crucial mesmo é haver uma política consistente no que se trata de melhores quadros profissionais.

No que se diz em respeito do mercado de robôs, a Alemanha ocupa o quinto lugar no mundo após a Coreia do Sul, Singapura, EUA e Japão. Hoje na Alemanha existem 309 robôs para cada 10 mil trabalhadores. Na Coreia do Sul, por exemplo, este número é de 630.

 

NO BRASIL AINDA NÃO EXISTEM TANTOS ROBÔS COMO NOS OUTROS PAÍSES.

 

ROBÔS

 

Tais processos não ocorrem por si só, eles necessitam de um planejamento escrupuloso, uma estratégia política para que as pessoas possam continuar se educando e mudando a esfera de sua atividade profissional, não indo para o desemprego.

O objetivo principal é que as pessoas profissionalmente ocupadas possam acompanhar todas as transformações tecnológicas.

Muitas montadoras de veículos têm investido na modernização de suas linhas de produção, mas a planta da BMW na cidade de Leipzig, na Alemanha, leva a chamada “indústria 4.0” a um outro nível. Desde 2013, a unidade tem mil robôs na linha de produção do carro elétrico da montadora, observados à distância por funcionários que apenas monitoram o trabalho das máquinas.

 

 

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
%d blogueiros gostam disto: